O Som do Fogo.

18 set

Pensamos no músculo como um guincho, que produz força para levantar, carregar e puxar, mas que nada faz para soltar a carga a não ser deixá-la cair. A intuição de que o músculo se contrai para gerar movimento e simplesmente relaxa para voltar ao seu formato original não é verdadeira e prejudica tanto o entendimento sobre o movimento como reduz na prática as possibilidades do corpo.

Quando decidimos nos movimentar, coletamos informações dos sentidos, da memória e do sistema nervoso para formar uma imagem que levará os segmentos do corpo nesta ou naquela direção. A exatidão com que a imagem é reproduzida pelo corpo depende assim de nossa aptidão física e da acuidade com que a imagem original é pintada pelos órgãos dos sentidos.

Tudo o que enxergamos encontra-se dentro de um cone de 15 graus ligado à nossa retina, e todos os sons que ouvimos restringem-se a freqüências entre 20Hz e 20kHz sentidas pelo tímpano. Os sentidos iluminam uma fração da realidade como uma lanterna acesa em um quarto escuro: se iluminamos as pernas de uma cadeira, logo imaginamos a cadeira completa. O cérebro se incumbe de colocar o encosto e o acento que faltam para dar significado ao que estamos vendo. Assim, aquilo que percebemos depende em grande parte de nossa própria memória e experiência. O que enxergamos, pode não corresponder à realidade, mas necessariamente fará sentido, pois é parte de nossa própria criação.

Ao fazer uma postura de Yoga (ásana) não pensamos nas fibras musculares que deverão ser estimuladas para levar nosso corpo a determinada posição, sequer nas articulações envolvidas no processo. Simplesmente formamos uma imagem a partir das palavras do professor ou de sua demonstração e levamos nosso corpo na direção do retrato pintado por nós mesmos, com maior ou menor aptidão. Restrições motoras certamente irão interferir no ásana, mas a aptidão física não é mais importante que nosso poder de interpretação, conhecimento e experiência. Enfim, a nossa capacidade para realizar um ásana está diretamente ligada à imaginação e inteligência.

Falta de conhecimento, preconceito e medo limitam as possibilidades do corpo da mesma maneira que afetam nossa percepção da realidade. Logo, suplantar obstáculos físicos e psicológicos que se interpõe entre nós e o próprio corpo requer conhecimento e coragem para mudar a forma como enxergamos mundo.

Se o movimento é visto como resultado de uma contração muscular, a imobilidade costuma ser entendida como seu antônimo, a pausa entre uma ação e outra. Pensamos no músculo como uma estrutura especializada em transformar energia química em movimento. Movimento que é tão importante à vida que frequentemente é tomado por um sinônimo dela. A imobilidade, o rigor mortis, portanto, seu fim. Porém, o músculo está sempre ativo, mesmo quando está imóvel, alongado ou relaxado.

Quando servimos chá, por exemplo, fazemos força para tirar o bule da mesa (a – contração concêntrica do bíceps), seguramos firmemente o bule parado sobre a xícara (b- contração isométrica do bíceps) e por fim, alongamos o braço para devolver o bule à mesa (c – contração excêntrica do bíceps). O músculo do bíceps não parou um segundo de trabalhar, ainda que tenha ficado imóvel a maior parte do tempo.

Mesmo quando estamos totalmente relaxados, estatelados no sofá de casa, a tensão muscular é a maior responsável por manter nossas articulações unidas (alongamento passivo). São os elementos contráteis do músculo, e não apenas o tecido conectivo que os encerra, os maiores responsáveis pela resistência à tensão (Magid A, Law DJ. Science 1985;230:1280-1282).

Nossos músculos também fazem força, gastam energia e ficam fatigados quando estão parados ou alongando. A força realizada por um músculo sobre o osso é até mesmo maior quando ele se distende do que quando se contrai, mobilizando grande quantidade de energia para este fim.

Enoka, R.M. Neuromuscular Basis of Kinesiology

Se entendemos o músculo como uma estrutura capaz de fazer força somente quando se contrai e encurta e que, para retornar ao seu formato original, relaxa e se distende passivamente, amputamos razoavelmente as possibilidades do corpo.

Em Chaturanga Dandasana é necessário força para tirar o corpo do chão apenas com a força dos braços. Para compensar a fraqueza do bíceps, preparamos a musculatura peitoral (contração concêntrica) para estabilizar os ombros e empurramos o chão com toda a força que conseguimos juntar. As escápulas basculam para baixo e suas bordas internas são projetada assim para cima, longe das costelas, abusando do serrátil e provocando aumento da cifose.

Chaturanga Dandasana (m.peitoral em contração concêntrica)

Se, ao invés de nos esforçarmos para empurrar o chão, pensarmos em descansar a caixa torácica sobre a resistência do músculo peitoral (contração excêntrica do peitoral), a situação muda e passamos a desfrutar de uma postura mais equilibrada e inteligente. Em contração excêntrica, o peitoral é mais forte e estabiliza a postura tranquilamente. O peito permanece aberto e a respiração, prejudicada pelo efeito estabilizante do diafragma, é facilitada.

Chaturanga Dandasana (m.peitoral em contração excêntrica)

Para conseguir manter esta postura por períodos cada vez mais longos de tempo, assim como para avançar na prática de outros ásanas de Yoga, é preciso mobilizar os músculos certos de forma inteligente, tornando o esforço muscular mais eficiente possível, sem aumentar distorções.

No entanto, não temos acesso direto às fibras musculares e somos virtualmente incapazes de excitar pontualmente os motoneurônios que as estimulam. Muitas vezes, músculos inteiros são completos estranhos dentro de nosso corpo, sobre os quais não temos nenhuma ascendência, conformando zonas de exclusão com grande potencial para lesões. Lançar mão da imaginação e do conhecimento para provocar respostas musculares e nervosas que coloquem o corpo obscurecido pela alienação sob a luz da consciência é uma maneira para introjetar uma realidade maior, que está além de nossa observação e percepção, e mostrar ao corpo novos horizontes.

Uma resposta to “O Som do Fogo.”

  1. Ricardo Carvalho da Rocha 28 de outubro de 2012 às 9:43 PM #

    Grato pelo belo texto!
    Técnico sem perder a poesia do yoga. Parabéns!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s