Arquivo | Uncategorized RSS feed for this section

Atendimento Emercor nos estudios.

2 fev

A partir de fevereiro/ 2020 contaremos com o serviço Emercor de atendimento de emergência e urgência disponível nos estúdios durante o período de aula a todos os alunos.

Este serviço, que oferece desde atendimento a distância até remoção hospitalar, é indispensável no momento em que passamos a atender um maior número de alunos, com perfis distintos e demandas específicas.

Maior diversidade traz maiores desafios e, com a ajuda da Emercor, teremos mais segurança e tranquilidade para continuar a oferecer a prática de Yoga a mais alunos.

🙏 Franca e João

Em 2020… muita paz interior😉🙏

19 dez

Entre os dias 23/12 e 03/01 faremos uma pequena pausa para colocar a casa em ordem.  Sábado, dia 04/01, voltamos com a corda toda.

Imagem

Café Pequeno?

11 nov

yogaestudio

Nova turma para quem quer começar a praticar Yoga do jeito certo, aproveitando ao máximo as aulas, sem deixar escapar nada. Aulas com 1 hora de duração, segunda e quarta, das 8h00 às 9h00 da manhã, com Franca Bertini.

👉  Todos os horários

👉 Agendar aula experimental

Fisioterapia e Meditação

31 out

Toda Encurtada

28 out

NA_JAN17_recovery_Hero

O que significa ter músculos encurtados ou ter a sensação de que os músculos estão exageradamente rígidos quando não deveriam estar? 

👉 Músculos encurtados ≠ músculos rígidos.

Ter músculos encurtados não significa ter músculos rígidos. Posso, por exemplo, não sentir rigidez alguma nos músculos atrás das coxas e, ainda assim, não conseguir tocar as pontas dos próprios pés com as mãos.  Ao mesmo tempo, posso sentir rigidez no trapézio e manter intacta a qualidade do movimento em meus ombros. 

👉 Músculos encurtados ≠ músculos tensos

Ter músculos encurtados não significa ter músculos tensos. De fato, é impossível confirmar alterações na densidade de músculos apalpando ou apertando.  https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20015697

👉 Músculo encurtado = Sensação Subjetiva Desagradável

Então porque sentimos os músculos encurtados?  Quando permanecemos em uma mesma postura por períodos muito longos de tempo, por exemplo, dirigindo o carro ou sentados à frente de um computador, provocamos a restrição do fluxo sanguíneo para os músculos, causando uma isquemia transitória, alertando o nosso cérebro para mexer o corpo e assumir uma nova postura. Esse alerta é percebido como dor ou ‘encurtamento’ e costuma cessar imediatamente após a mudança de posição.  

Se a sensação de ‘encurtamento’ muscular parece estar sempre presente, isso sugere que a musculatura acometida está sendo continuamente submetida a uma carga para a qual não está preparada. O estado geral de saúde, estresse,  dieta, sono, todos esses fatores desempenham um papel na percepção de encurtamento muscular. Neste caso, a maneira para abordar o problema não deve ser estritamente ‘mecânico’.

👉 O que fazer? 

Exercícios que envolvem alongamento de um músculo, massagem e liberação miofascial atuam sobre tecidos conjuntivos (ligamentos, tendões, fascia superficial), promovem analgesia e sensação de relaxamento, mas o alívio dura pouco tempo e não se observam mudanças estruturais a partir destas abordagens.

Mudanças posturais frequentes contribuem para maior vascularização e regeneração de tecidos, diminuindo o risco de lesões. A melhor postura é sempre a próxima postura.

São os exercícios resistidos e treinos de força que, a longo prazo, levam a mudanças estruturais, principalmente quando a força é exigida em toda a amplitude de movimento e integra vários segmentos do corpo ao mesmo tempo. Neste caso, os músculos irão alongar e se adaptar, conferindo maior mobilidade às articulações e força. 

Respiração e Movimento

17 set

lungs.jpgA respiração tem o poder de integrar todas as partes envolvidas na execução de um gesto ou movimento, mas essa perspectiva é o aspecto mais negligenciado quando falamos em exercício físico e reabilitação. Enquanto a métrica respiratória dá o tom às conversas, seu poder de impactar o movimento costuma ser deixado de lado. Na prática, abandonamos uma importante ferramenta para conscientização e organização do movimento e da postura para nos ater a aspectos superficiais de um gesto específico.

A respiração assíncrona é um sinal imediato da perda da concentração sobre o movimento pela interferência de sinais ambientais ou do próprio corpo. 

Recobrar o ritmo entre respiração e movimento significa assim retomar o controle do corpo no espaço, afastar as interferências externas e observar os sinais do próprio corpo com certo  distanciamento, sem se deixar influenciar por eles. Neste sentido, a respiração acaba por ajudar a gerenciar as respostas relacionadas a ansiedade e estresse. 

A respiração profunda e lenta tem sido associada à estimulação do sistema nervoso parassimpático e à produção de ondas cerebrais alfa. O rápido retorno a uma respiração lenta após a fadiga aumenta a Variabilidade da Frequência Cardíaca (VFC) – um forte preditor de expectativa de vida (a VFC significa a capacidade de nosso coração adaptar-se ao estresse).

Trabalho simples para iniciar sincronização entre movimento e respiração com ajuda de Metronome Beats app da Stonekick

Negligenciar as variações na qualidade da respiração significa perder acesso aos objetivos mecânicos e fisiológicos do treinamento. Se o exercício pode estimular a resposta postural e respiratória correta e automática, o descaso sobre a respiração distorce os dois. 

Trabalho simples para iniciar sincronização entre movimento e respiração com ajuda de Metronome Beats app da Stonekick

As disfunções qualitativas do movimento são uma indicação sutil e paralela das disfunções qualitativas da respiração. A respiração e o ritmo respiratório estão profundamente ligados  a função do movimento, e devem ser observados em conjunto, potencializando o gesto e organizando o movimento.

(Re)aprender a Engatinhar

25 jul

baby crawling

Engatinhar é a base do movimento humano. É a primeira coisa que  você faz após rolar de um lado a outro para se movimentar. Assim, com os pés no chão e com ajuda das mãos, seu caminho para ficar em pé e andar começa a ser pavimentado.

Mover-se sobre quatro apoios exige um grau elevado de coordenação e equilíbrio entre a pelve, ombros e abdomem. Este movimento padrão, contralateral e diagonal, perpetua-se para além do engatinhar. Quando você caminha ou corre, seus braços não ficam grudados ao longo do corpo, mas balançam como se você ainda engatinhasse. Desta maneira você usa a rotação do tronco e a força do abdomem para gerar o impulso necessário para caminhar.

 

 

 

Se a fase de engatinhar não for bem sucedida, a maneira como caminhamos e corremos pode ficar comprometida e um movimento que deveria ser fluido e contínuo será truncado.

A aquisição do equilíbrio promovido pelo engatinhar também é peça chave para o desenvolvimento do agachar, pular, escalar, levantar peso e outros movimentos compostos, pois ensina como todos os músculos devem atuar coordenadamente.

 

 

 

Você pode treinar o engatinhar, como fazia antes de aprender a andar, pois esse aprendizado irá irradiar para outros movimentos, aumentando a eficiência geral da prática. Ainda que se tenha o engatinhar como algo estrito da infância, trata-se de um movimento muito útil e pode ser praticado durante toda a vida.

Lembre-se que as crianças, mesmo após começarem a andar, continuam engatinhando frequentemente, incorporando o caminhar ao seu repertório de movimentos sem abandonar o engatinhar,  fazendo frequentemente a transição de uma postura a outra rolando, virando, torcendo, empurrando, puxando, alcançando, agarrando, arremessando, manipulando.

 

 


Não negligencie o engatinhar e as posturas sobre 4 apoios, realizando-as numa base regular. Você irá perceber os benefícios  imediatamente.