Nem tão novo. Nem tão normal.

24 jun

Quando a tecnologia facilita o acesso às aulas e terapias através de uma plataforma simples, o atendimento se torna mais individualizado e os resultados podem surpreender. Novas pesquisas (1) apontam para a eficácia das consultas, condutas terapêuticas e até avaliações físicas feitas a distância que, em alguns casos, apresentam resultados compatíveis com as condutas presenciais.  

O ‘novo normal’, onde distanciamento social, higiene e sanitização são a regra, a busca para estabelecer paralelos entre o espaço de prática terapêutica e a casa do aluno ou paciente vem tomando conta de muitas linhas de pesquisa e tem promovido mudanças significativas no atendimento. 

A valorização da história pessoal, a ênfase na conversa e na troca de informações, o conhecimento do ambiente que envolve as pessoas, tudo isso traz para o atendimento dados que nem sempre eram levados em consideração logo no primeiro contato, mas que ganharam importância e agora têm o poder de aproximar as pessoas. 

Os resultados devem ser acompanhados com frequência maior que a de costume e devem extrapolar a idéia de avaliação. Mudanças de hábito e costumes passam a dizer tanto sobre os resultados quanto o próprio conceito de rendimento.  

A conveniência de realizar uma rotina em casa não isenta o paciente ou o aluno de ter um ambiente livre de interferências, um horário dedicado para este fim e a necessidade de modificar hábitos e a rotina caseira para sua prática.

Assim, dos dois lados da linha deve haver comprometimento e busca mútua por conhecimento em um processo ativo para aprofundar a relação, superando a distância e a ausência.

Saiba como podemos ajudar você aqui.

1) Fontes:

Lombalgia (palacin-MArin)

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23238489

Dores idiopáticas do joelho (Richardson et al) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26985005

Ombros (Steele et al 2012) https://www.hindawi.com/journals/ijta/2012/945745/

Quadris (owusu-akyaw) https://bmjopensem.bmj.com/content/5/1/e000574#T2

Cotovelos (Lade et al 2012) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23086982

Osteo Artrite

https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1002/acr.23218

Resolução Conselho Federal de Fisioterapia

https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=15825

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s