Arquivo | junho, 2016

Mobil Idade

5 jun

Aron Demetz

escultura Aron Demetz

Mobilidade é o maior preditor isolado de expectativa de vida.  Condição sócio-econômica, educação, alimentação, trabalho, dentre outros quesitos não podem ser desconsiderados. Entretanto, de todas as variáveis que pesam isoladamente sobre a longevidade de alguém, são aquelas abarcadas pelo guarda-chuva do movimento as que têm maior peso.

Força, potência, resistência, amplitude de movimentos determinam a maneira como nos adaptamos a um ambiente em constante mudança. Manter estas competências à medida que o tempo avança é, em grande medida, a própria manutenção da vida. Estar vivo significa, enfim, poder participar ativamente do mundo em suas expressões mais diversas, ambientais e sociais.

Ao contrário do que diz o saber comum, não há envelhecimento do corpo independente da mente. Os indícios de senilidade vêm à tona quando o corpo mostra-se incapaz de responder prontamente aos desafios do meio.  Vivenciamos o desgaste sofrido pelo corpo durante o tempo e assistimos perplexos à perda da memória de curto prazo e do raciocínio ágil pelos anos: “coisas da idade”.  Só que não.

O desenvolvimento do cérebro deixa claro, desde os reflexos primitivos à coordenação motora fina, que a busca por respostas, intermediada pelos sentidos, representa a força motriz de seu desenvolvimento global, do concreto ao abstrato. O movimento é a linguagem do cérebro.

Não se pode afirmar, em nenhum momento da vida, que exista distinção tal que sustente o binômio mente-corpo, a não ser aquelas meramente arbitrárias ou didáticas.  Isso apresenta uma perspectiva de futuro importante.

Se as implicações musculoesqueléticas, cardiovasculares e neuronais decorrentes do envelhecimento são irreversíveis, isso não limita em absoluto o horizonte de quem está disposto a continuar ativamente explorando seu ambiente e aprendendo. Mas é preciso estar presente no ato do exercício, qual seja, pois o movimento sem atenção não gera aprendizado, não gera desenvolvimento e é inócuo para este fim.

O movimento deve ser vivenciado em toda sua dimensão, com vistas a ampliar o espectro de experiências e aumentar a quantidade de informação proveniente do meio, qualificando quem o realiza a manter e incrementar seu repertório gestual, tornando-o apto a aprender, a cada novo passo dado, sobre suas aptidões e fraquezas.

___________________________________________________________________

Leituras sugeridas:

Capítulo ‘Movent Analysis across the Life Span’ do livro Umphred´s Neurological Rehabilitation escrito por Dale Skalise-Smith e por Darcy Umphred.

http://gerontologist.oxfordjournals.org/content/13/1/88.short

http://www.maturitas.org/article/S0378-5122(12)00301-5/fulltext

 

%d blogueiros gostam disto: