Arquivo | setembro, 2010

Quadrúpedes

19 set

Levamos muito chão antes de nos adaptarmos a uma base tão pequena quanto nossos pés. Tirar as patas dianteiras do chão e equilibrar-se apenas sobre as traseiras foi tão difícil para nós quanto é para qualquer quadrúpede que pretenda o mesmo.

A primeira coisa que tivemos que fazer para carregar a nós mesmos por aí foi entender como equilibrar tudo aquilo que está acima da bacia sobre nossas pernas, incluindo a própria bacia. Quando cansamos de engatinhar, a pelve deixou de ser apenas o elo que liga as pernas ao restante do corpo para tornar-se uma plataforma de apoio para o tronco, membros superiores e cabeça. Esta mudança alterou o papel dos músculos do quadril e exigiu uma reorganização de todo o corpo à nova posição.

Um quadrúpede não precisa se preocupar muito em manter o equilíbrio. Sobre quatro patas, os músculos do quadril trabalham especificamente na função para a qual foram designados, atuando com grande eficiência na produção de força. Completamente adaptado, o corpo do animal responde com absoluta liberdade às solicitações dos sentidos e assume uma postura para cheirar, uma para ouvir, uma para olhar e muitas outras para locomover-se.

Na mudança de quatro para duas patas, a bacia mudou de posição em relação ao chão e grande parte de nossa força e mobilidade ficou comprometida. Os ligamentos ao redor da articulação do quadril se enrolaram no colo do fêmur, grudando com tanta força as pernas na bacia que artroses do quadril se tornaram freqüentes em nossa espécie. O osso do fêmur, antes perfeitamente encaixado em sua cavidade articular, passou a expor parte de sua cabeça quando ficamos em pé, responsabilizando a musculatura adjacente pela manutenção da estabilidade na articulação. O apoio precário sobre o qual começamos a nos equilibrar exigiu grandes mudanças nos músculos do quadril, alterando suas atribuições ‘originais de fábrica’. Ao nos equilibrarmos sobre as patas traseiras, enfim, perdemos a chance de pular como gatos, escalar como macacos ou correr como cavalos.

Nosso endireitamento levou os músculos do quadril a acumular diferentes funções de acordo com a postura assumida. Algumas ações musculares serão até mesmo completamente invertidas durante determinados movimentos, promovendo mudanças que irão afetar profundamente nossa estrutura corporal, tornando-nos parecidos com o que somos hoje.

VIRAIII - VIRAIII

Virabhadrasana III

Músculos da bacia, como os glúteos e pelve-troncanterianos, mudaram de função e viraram potentes rotadores externos com o nosso endireitamento. Em Virabhadrasana III, nossa bacia volta à quadrupedia e a cabeça do fêmur sobre a qual nos apoiamos fica totalmente encaixada na articulação. A estabilidade articular, porém, pode não ser seguida pelo equilíbrio muscular. Desacostumados a manter a bacia nesta posição, os músculos da pelve descontam no piriforme sua ineficiência em situações como essa. Girar a coxa de apoio para dentro e empurrá-la para trás proporciona um melhor alinhamento das fibras musculares e otimiza o desempenho muscular na manutenção da estabilidade da bacia nesta postura.

Ardha Chandrasana 1 - Ardha Chandrasana 1

Ardha Chandrasana

Se acionamos deliberadamente a musculatura do glúteo, podemos observar a surpreendente facilidade com que este músculo irá girar a bacia para cima, suspendendo todo o corpo sobre a perna de apoio: entramos em Ardha Chandrasana. Para tornar a postura possível deve-se ainda girar a coxa de apoio para fora. As superfícies de contato do nosso acetábulo são feitas para o quadrúpede, isto é, para uma posição de flexão da coxa em relação à bacia de 90 graus como na postura anterior. Ao girar o fêmur para fora evitamos que o trocanter maior venha a apoiar-se na parte mais proeminente do acetábulo do quadril. O choque entre essas partes inviabiliza o movimento. Em posturas como Upavishta Konasana, Prasarita Padotasana e Anantasana acontece a mesma coisa.

Bacia 1 - Bacia 1

Pelve

Colocado em uma postura particular e conservado assim por longo tempo, o corpo evidencia suas forças e fraquezas, desequilíbrios e assimetrias, restrições e possibilidades. Ter lucidez sobre a maneira como respondemos aos estímulos e interferir com precisão nos movimentos, eliminando componentes de força indesejados, abre uma importante via para escaparmos dos domínios da enfermidade.

Alheio à consciência, o ‘endireitamento’ promoveu mudanças no corpo que perturbaram nosso equilíbrio de maneira geral. A expansão dos limites da consciência sobre o corpo através da prática do Yoga devolve ao corpo o privilégio de ser ouvido. Trata-se de uma aquisição demorada, mas que transforma definitivamente a maneira como vivemos.

O Som do Fogo.

18 set

Pensamos no músculo como um guincho, que produz força para levantar, carregar e puxar, mas que nada faz para soltar a carga a não ser deixá-la cair. A intuição de que o músculo se contrai para gerar movimento e simplesmente relaxa para voltar ao seu formato original não é verdadeira e prejudica tanto o entendimento sobre o movimento como reduz na prática as possibilidades do corpo.

Quando decidimos nos movimentar, coletamos informações dos sentidos, da memória e do sistema nervoso para formar uma imagem que levará os segmentos do corpo nesta ou naquela direção. A exatidão com que a imagem é reproduzida pelo corpo depende assim de nossa aptidão física e da acuidade com que a imagem original é pintada pelos órgãos dos sentidos.

Tudo o que enxergamos encontra-se dentro de um cone de 15 graus ligado à nossa retina, e todos os sons que ouvimos restringem-se a freqüências entre 20Hz e 20kHz sentidas pelo tímpano. Os sentidos iluminam uma fração da realidade como uma lanterna acesa em um quarto escuro: se iluminamos as pernas de uma cadeira, logo imaginamos a cadeira completa. O cérebro se incumbe de colocar o encosto e o acento que faltam para dar significado ao que estamos vendo. Assim, aquilo que percebemos depende em grande parte de nossa própria memória e experiência. O que enxergamos, pode não corresponder à realidade, mas necessariamente fará sentido, pois é parte de nossa própria criação.

Ao fazer uma postura de Yoga (ásana) não pensamos nas fibras musculares que deverão ser estimuladas para levar nosso corpo a determinada posição, sequer nas articulações envolvidas no processo. Simplesmente formamos uma imagem a partir das palavras do professor ou de sua demonstração e levamos nosso corpo na direção do retrato pintado por nós mesmos, com maior ou menor aptidão. Restrições motoras certamente irão interferir no ásana, mas a aptidão física não é mais importante que nosso poder de interpretação, conhecimento e experiência. Enfim, a nossa capacidade para realizar um ásana está diretamente ligada à imaginação e inteligência.

Falta de conhecimento, preconceito e medo limitam as possibilidades do corpo da mesma maneira que afetam nossa percepção da realidade. Logo, suplantar obstáculos físicos e psicológicos que se interpõe entre nós e o próprio corpo requer conhecimento e coragem para mudar a forma como enxergamos mundo.

Se o movimento é visto como resultado de uma contração muscular, a imobilidade costuma ser entendida como seu antônimo, a pausa entre uma ação e outra. Pensamos no músculo como uma estrutura especializada em transformar energia química em movimento. Movimento que é tão importante à vida que frequentemente é tomado por um sinônimo dela. A imobilidade, o rigor mortis, portanto, seu fim. Porém, o músculo está sempre ativo, mesmo quando está imóvel, alongado ou relaxado.

Quando servimos chá, por exemplo, fazemos força para tirar o bule da mesa (a – contração concêntrica do bíceps), seguramos firmemente o bule parado sobre a xícara (b- contração isométrica do bíceps) e por fim, alongamos o braço para devolver o bule à mesa (c – contração excêntrica do bíceps). O músculo do bíceps não parou um segundo de trabalhar, ainda que tenha ficado imóvel a maior parte do tempo.

Mesmo quando estamos totalmente relaxados, estatelados no sofá de casa, a tensão muscular é a maior responsável por manter nossas articulações unidas (alongamento passivo). São os elementos contráteis do músculo, e não apenas o tecido conectivo que os encerra, os maiores responsáveis pela resistência à tensão (Magid A, Law DJ. Science 1985;230:1280-1282).

Nossos músculos também fazem força, gastam energia e ficam fatigados quando estão parados ou alongando. A força realizada por um músculo sobre o osso é até mesmo maior quando ele se distende do que quando se contrai, mobilizando grande quantidade de energia para este fim.

Enoka, R.M. Neuromuscular Basis of Kinesiology

Se entendemos o músculo como uma estrutura capaz de fazer força somente quando se contrai e encurta e que, para retornar ao seu formato original, relaxa e se distende passivamente, amputamos razoavelmente as possibilidades do corpo.

Em Chaturanga Dandasana é necessário força para tirar o corpo do chão apenas com a força dos braços. Para compensar a fraqueza do bíceps, preparamos a musculatura peitoral (contração concêntrica) para estabilizar os ombros e empurramos o chão com toda a força que conseguimos juntar. As escápulas basculam para baixo e suas bordas internas são projetada assim para cima, longe das costelas, abusando do serrátil e provocando aumento da cifose.

Chaturanga Dandasana (m.peitoral em contração concêntrica)

Se, ao invés de nos esforçarmos para empurrar o chão, pensarmos em descansar a caixa torácica sobre a resistência do músculo peitoral (contração excêntrica do peitoral), a situação muda e passamos a desfrutar de uma postura mais equilibrada e inteligente. Em contração excêntrica, o peitoral é mais forte e estabiliza a postura tranquilamente. O peito permanece aberto e a respiração, prejudicada pelo efeito estabilizante do diafragma, é facilitada.

Chaturanga Dandasana (m.peitoral em contração excêntrica)

Para conseguir manter esta postura por períodos cada vez mais longos de tempo, assim como para avançar na prática de outros ásanas de Yoga, é preciso mobilizar os músculos certos de forma inteligente, tornando o esforço muscular mais eficiente possível, sem aumentar distorções.

No entanto, não temos acesso direto às fibras musculares e somos virtualmente incapazes de excitar pontualmente os motoneurônios que as estimulam. Muitas vezes, músculos inteiros são completos estranhos dentro de nosso corpo, sobre os quais não temos nenhuma ascendência, conformando zonas de exclusão com grande potencial para lesões. Lançar mão da imaginação e do conhecimento para provocar respostas musculares e nervosas que coloquem o corpo obscurecido pela alienação sob a luz da consciência é uma maneira para introjetar uma realidade maior, que está além de nossa observação e percepção, e mostrar ao corpo novos horizontes.

%d blogueiros gostam disto: